Notizie, curiosita',aneddoti, e fantasie su New York – tagged "dinheiro" – Minha Viagem a Nova York Google+

Autenticamente Nova York

Quinze Dicas Sobre Como Economizar em Nova York February 13 2018

 

1) Em vez de se hospedar em um hotel, tente uma acomodação pelo airbnb (aqui está um código de desconto para vocês utilizarem). Se vocês procurarem com antecedência, vão achar excelentes ofertas.

 

2) Viajem na baixa temporada, assim vocês vão encontrar os melhores preços nos voos e nas acomodações.

 

3) Não deixe de tomar o “pequeno-almoço americano” o famoso Brunch americado, não será caro e lhe dará energia quase até a noite. No almoço, procure restaurantes que cobrem por kg. Você irá conseguir comer bem com menos de 10 dólares.

 

4) Compre bilhetes da Broadway sob as escadas vermelhas da Times Square. Você pode fazer grandes negócios ali. Já para os shows mais famosos como Lion King, Chicago, Alladin, vocês podem comprar diretamente conosco em nosso escritório 324 W 47th ou pelo nosso site: minhaviagemanovayork.com

 

5) Para fazer compras, vá para alguns lugares como o Woodbury Common e o Jersey Garden. Os preços são imbatíveis. Você também pode ir para o Century 21 e para a Macy's. Até mesmo nas lojas da Fifth Avenue vocês poderão achar vários descontos.

 

6) Há uma abundância de eventos gratuitos na cidade, procurem aqui: http://www.timeout.com/newyork e dê uma olhada.

 

7) Compre o citypass (aqui) e economize nas entradas de museus e observatórios.

 

8) Lembre-se de que os museus têm dias de entradas gratuitas.

 

9) Use o tempo da melhor maneira possível. Considere a ideia de fazer passeios em grupos para maximizar o tempo disponível.

 

10) Use o metrô para se locomover. Você pode fazer o passe semanal que custa US $ 32.

 

11) Se você quiser beber uma cerveja, vá durante o Happy Hour (geralmente todos os bares tem das 4 às 7 da noite). Você vai cortar suas despesas ao meio.

 

12) Para um lanche rápido, lembre-se de que tudo está em Nova York. Hot dogs e pizzas por um dólar. E eu garanto, eles não são ruins.

 

13) Não perca tempo com coisas que não lhe interessam. Tenha clareza no que você quer fazer e o que não quer.

 

14) No caminho do aeroporto para o hotel, considere utilizar o Airtrain (custa apenas 5 dólares).

 

15) Compre lembranças por atacado na 34W 27th.

 

15) Poupe dinheiro antes de fazer a sua viagem para Nova York. E aproveite esta cidade de forma completa! Este é o meu verdadeiro conselho.


Dicas de como Dirigir e Alugar um Carro nos EUA October 26 2017

Documentos, Sinalização e Estilo de Direção

Essa é uma dica que vale para todos: a única maneira de realmente conhecer de forma profunda os Estados Unidos da America é fazendo uma jornada por suas magníficas e emblemáticas estradas.  No entanto, um elemento fundamental é muitas vezes ignorado: como dirigir nos EUA?

Neste artigo, vamos lhe dar todo passo a passo para se dirigir nos EUA,e  assim, fazer você aproveitar ao máximo sua viagem.

Como dirigir nos EUA?

Dirigir nos EUA não é difícil, especialmente se você se manter longe das ruas mais movimentadas das grandes metrópoles. Na verdade, as autoestradas são perfeitas para um passeio descontraído e agradável. Para dirigir com segurança, você terá que ter em mente algumas regras básicas.

O código Americano de direção:

Devemos enfatizar algumas coisas importantes:

  • A ultrapassagem à direita é permitida nas ruas com pelo menos duas pistas.
  • Salvo indicação contrária, é possível girar à direita até a segurança, mesmo com o sinal vermelho.
  • É absolutamente proibido ultrapassar um ônibus escolar estacionado com as luzes piscando, pois indica a presença de crianças.
  • Nas rodovias, há uma faixa denominada "car pool lanes", indicada por um símbolo em forma de diamante para carros que transportem pelo menos duas pessoas. Tudo para incentivar o uso de um veículo para mais de um passageiro.

Limites de velocidade

Na América, os limites de velocidade são expressos em milhas (1 milha corresponde aproximadamente a 1,6 km) e muitas vezes variam de Estado para Estado. Em geral:

  • Nas cidades, o limite é de 25/35 milhas (40/55 km/h).
  • Nas rodovias, no entanto, o limite é de 55/75 milhas (105/120 km/h).

Nas estradas da estrada há uma maior tolerância aos limites de velocidade e você também pode chegar nas 5/10 milhas acima da média. Os limites, no entanto, devem ser obrigatórios em grandes centros urbanos e particularmente perto das escolas.

Dica importante! Caso seja parado por um policial, lembre-se de não sair do carro e aguardar as instruções do oficial, segurando as mãos firmemente no volante.

 

Sinais Rodoviários

Se o seu objetivo é entender de modo completo como dirigir com segurança pelos EUA é muito importante aprender a sinalização rodoviária.

  • Interstate: Rotas rodoviárias que ligam estados. São realmente fáceis de reconhecer, pois são indicados por uma letra seguida de uma sequência de números. A numeração deve ser levada em consideração como se a rota ímpar fosse de norte a sul ou vice-versa, ou se ela vai de leste a oeste ou vice-versa.
  • Highways: Exatamente o equivalente a nossas rodovias, também são indicadas através de um sinal de cor verde. As saídas são sinalizadas com uma numeração progressiva e são facilmente reconhecíveis.
  • Freeways são “estradas estaduais” que permitirão viajar para as áreas rurais de seus respectivos estados.

 

 

Left turn yield on green: quando você virar à esquerda, você deve dar prioridade a quem vem na direção oposta.

Junction: É o nosso entroncamento.

No turn on red: Não é possível virar a direita com o semáforo vermelho.

 

Estacionamento na América

Os estacionamentos são outro elemento importante. Em geral, nas áreas periféricas, não existem restrições específicas, exceto para as rotas mais movimentadas. Outra história para o centro da cidade, onde os estacionamentos geralmente são muito limitados e marcados com os seus próprios indicadores.

 As restrições de estacionamento em algumas cidades são indicadas por cores específicas na calçada adjacente:

Vermelho: proibição de estacionamento

Amarelo: reservado para veículos autorizados

Branco: parada curta para embarque e desembarque de pessoas

Verde: parada permitida dentro dos prazos marcados na região

Também é proibido estacionar a uma distância menor do que 3 metros de um hidrante, e é obrigatório estacionar sempre na mesma direção da pista.

 

Alugando um Carro

Finalmente chegamos ao último passo, alugar um carro nos EUA. O conselho que lhe dou é reservar on-line e depois buscá-lo diretamente no aeroporto. Mas você precisa ter cuidado com algumas coisas:

  • Os condutores com menos de 25 anos geralmente pagam uma tarifa mais elevada.
  • Devolver o seu carro em um local diferente de onde você pegou, terá um custo adicional. Nos estados da Califórnia e Nevada, isso só é aplicado nos meses de verão.
  • A quilometragem na maioria dos casos é ilimitada, mas, em todo caso, você deve verificar sempre para evitar surpresas desagradáveis.
  • Se você devolver o carro após o horário de funcionamento da locadora, você terá que pagar uma penalidade.
  • É possível durante o período de locação indicar um motorista adicional pagando um custo extra.
  • Verifique se a sua reserva inclui Collision Damage Waiver (CDW), também denominado Damage Waiver (LDW), que cobre qualquer dano ao seu carro ou perda do mesmo.

Agora que você já tem todas as dicas de como dirigir nos EUA, você só precisa reservar sua viagem e colocar o pé na estrada! Essa será uma experiência que você vai levar para o resto de sua vida.


A Procura do melhor café de Nova York September 23 2016

Se há uma coisa que você não pode deixar de trazer seja para visitar ou até mesmo viver nesta cidade maravilhosa, é sem dúvida uma dose abundante de energia.

Em Nova York, de fato, se anda muito. E assim, como um grande amante do café, fui em busca do melhor café expresso de Nova York.

Venha junto comigo!

STARBUCKS

Impossível não começar por aqui.

No imaginário coletivo de todos os italianos, e acredito que não só deles, a Starbucks é a América e a América é a Starbucks.

A rede americana, fundada em Seattle em 1971, combina os melhores cafés de todo o mundo para oferecer aos seus clientes uma variedade quase ilimitada de combinações possíveis: americano, expresso, macchiato, cappuccino, frappuccino e assim por diante.

Esse não será o melhor café expresso que você pode beber na cidade, mas, certamente, ele merece destaque, por tudo que representa, a verdadeira tradição americana de café.

CAFÉ VERGNANO, EATALY

Sinceramente, aqui o nível sobe e muito.

A histórica empresa de Piemonte fica localizada na gigante Eataly, perde em fama apenas para o lendário Flatiron, o "Iron" apelido dado pela forma triangular do edifício, um dos mais famosos do mundo.

O que mais posso dizer? Bem-vindo à Itália!

Desfrute de uma pausa com muitos aromas e cortesia, e você ainda tem a vantagem de poder comprar café moído na hora, e cápsulas compatíveis com as principais máquinas do mercado (recurso valioso para aqueles que estão em hotéis ou apartamentos que possuem cafeteiras) existe também uma grande variedade de biscoitos e doces de todos os tipos.

Os preços são razoáveis, mas para quem procura um típico café italiano, essa é um ótima opção.

ZIBETTO ESPRESSO BAR

Essa é a verdadeira (deliciosa!) surpresa da minha aventura de aromas e sabores. 

Ao contrário de outras dezenas de bares espalhados pelas ruas de Nova York, o café expresso daqui não se permitiu ser influenciado pelos hábitos de Nova York e gosto típico dos americanos. A essência aqui foi mantida de forma intacta.

Não existem variantes: café preto, cappuccino e macchiato.

101% Italiano, simples e perfeito.

Os preços são médios e existe uma infindável variedade de iguarias, doces e salgados, com os quais você sai regenerado seja de um passeio ou de uma reunião de negócios estressante.

Existe uma unidade que fica localizada no Rockefeller Center em um ambiente espaçoso e acolhedor. O da 5th Avenue (esquina da 42th) é menor, no entanto, está no coração de tudo.

SAN MATTEO ESPRESSO BAR

Se há uma coisa (na verdade, existem muitas!) que eu amo fazer é certamente tomar um café.

Ciro Casella é o nome do visionário por trás deste projeto, ele é de Salerno e já possui três lojas diferentes em Manhattan. Eu sou cliente assíduo do Pizza Espresso Bar Guest na 90th com 2nd Avenue, onde sua filha Marica, é a gerente.

Bem, o café aqui é arte! A mistura produzida com orgulho pelo Ciro vem cheia de força e aroma.

Feche os olhos: você está em casa.

Para os caçadores de emoções, e especialmente para pessoas que não estão de dieta, aqui está sua majestade, com base de noz, um creme misterioso e coberto com chantilly e chocolate em pó feito à mão.

Essa é uma das obras de arte assinada por Ciro.

TARALLUCCI E VINO

Outro lugar rico em estilo italiano está espalhado por cinco locais diferentes.

O meu favorito, fica além da Union Square, próximo ao Upper West Side (esquina da 83 com a Columbus Avenue).

Café e Cappuccino assinados por Lavazza, os croissants e as bombas também são incríveis. O lugar também é muito procurado para almoço e jantar.


O Carnaval de Nova York é realizado na primeira segunda-feira de Setembro. Feliz Labor Day! September 08 2016

Por Maria Grazia De Luca

deluca.marymary@gmail.com

Estamos no fim de semana que é comemorado o Labor Day (A festa do trabalho), a festa pelo dia do trabalho é celebrada pelos americanos na primeira segunda-feira de setembro desde 1882. Se o feriado comemorado dia Primeiro de Maio continua sendo para muitos de nós o ícone do dia dos trabalhadores, e a oportunidade de celebrar a dignidade do trabalho (também como uma forma especial de lembrar as muitas vítimas do trabalho por todo o mundo), aqui em Nova York entre os muitos eventos que acontecem nos dias de hoje, com certeza esse está incluído, ele é chamado por muitos de “the greatest show in the earth”, o New York City Caribbean Parade, conhecido como West Indian Day Parade.
 
Certamente esse é o dia mais esperado pela comunidade caribenha do Brooklyn, que também foi homenageada pelo artista de hip-hop Jay-Z em sua canção "Empire State of Mind" quando ele canta: “Three dice Cee-lee, Three card Monte, Labor Day Parade, rest in pace Bob Marley".

O ponto de encontro da West Indian Parade é o Museu do Brooklyn (200 Eastern Pkwy). A saída está marcada para 11 horas, e o desfile vai passar pelo bairro de Crown Hights em direção ao Grand Army Plaza, onde existe um programa de "Grand Finale" marcada para as seis horas. É claro que você pode escolher um ponto estratégico e assistir apenas um pedaço do desfile, procure se informar sobre as mudanças nos serviços de metrô e ônibus, por causa do grande número de pessoas na área do Brooklyn.

Ano passado resolvi fazer a experiência e participar do Carnaval Caribenho do Brooklyn, aceitei o convite de uma amiga para se juntar a ela e ao seu “boyfriend” jamaicano de assistir esse famoso desfile. Eu pensei que seria também uma oportunidade de ouro para mostrar a minha mãe, que tinha vindo me visitar em Nova York, um evento único, autêntico, além das ruas turísticas da Times Square. E eu não estava errada, o desfile superou as minhas expectativas.
 
A West Indian Parade é uma experiência difícil de descrever em palavras, é necessário experimentar pessoalmente, se deixando levar pela vitalidade irresistível dos povos do Caribe, que sabem como se divertir ao som de tambores e instrumentos musicais tradicionais.

Fui com a minha mãe no ápice do desfile, tocando salsa, calipso, reggae e soca, as mulheres e os homens geralmente bem fortes fisicamente, movimentam seus corpos com força e uma harmonia incrível - eles têm música no sangue - geralmente com vestidos muito coloridos, com grandes plumas que vibram no ar enquanto dançam como se não houvesse amanhã. Isso tudo nos faz lembrar de como é fácil ser feliz e de como devemos valorizar os momentos felizes da nossa vida.
 
No desfile podemos ver as bandeiras de países do Caribe, como Jamaica, Haiti, Trindade e Tobago, Barbados, etc… Eles compartilham o uso do Inglês e do crioulo no idioma. Eu não me lembro de ter visto bandeiras da Republica Dominicana e de Cuba. No final da rua há muita “Street food” caribenha, e muito hambúrguer picante!

A energia do Carnaval Caribenho é incrível, quase que intimidante. Três milhões de pessoas participam desta grande festa, com uma euforia explosiva no Crown Heights no Brooklyn. Eu nunca participei do carnaval brasileiro, no meu imaginário eu sempre cultivei esse evento como uma coisa  incrível, e acredito que com todas as devidas diferenças (com o nível de grandeza redimensionadas aqui em Nova York), os figurinos excêntricos, o desejo de dançar e, especialmente, a energia vibrante da West Indian Carnival do Brooklyn, lembra o que acontece no Rio todo mês de fevereiro.

Essa festa caribenha em Crown Heights de alguma forma começa a fechar o verão de Nova York. Se a energia do Carnaval Caribenho não lhe empolga muito, você pode optar por outros eventos organizados no Labor Day. Você pode optar por passar o dia inteiro em um dos muitos parques nova-iorquinos, o Central Park pode ser a primeira opção, mas também os menos frequentados que ficam ao longo do Rio Hudson (Brooklyn Bridge Park, no Brooklyn ou o Fort Tryon Park, em Uptown), a praia de Coney Island, em Nova York, que tem um parque de diversões a uma curta distância da praia também é um bom destino para os dias menos quentes de setembro (é menos lotado) quando comparado com agosto e julho. Em todos esse lugares é possível ver um lindo por do sol, com todas as cores do mês de Setembro.

O Washington Square Park, em Greenwich Village, por outro lado, pode ser um destino para quem gosta de artesanato, fotografia, esculturas e outras obras de artistas independentes, que na maioria dos casos são estudantes da Universidade de Nova York (NYU), que fica localizada nessa região.

Muitos nova-iorquinos estão fora da cidade no último fim de semana de verão, deixando os visitantes e amantes da Big Apple a chance de torná-la “nossa”, pelo menos por um dia, no Labor Day, que se despede simbolicamente do verão, e marca um novo período de preparação para o outono.


O US OPEN, e a chance de conhecer o Queens. Vamos com o Luca! September 05 2016

Luca Marfé
Instagram: @lucamarfe - Twitter: @marfeluca
www.lucamarfe.com


O US Open é um dos eventos mais incríveis realizados na cidade de Nova York. Como vocês sabem os americanos são incomparáveis em termos de organização
Se você é ou não fã ou não fã de tênis, não faz diferença: Venha conhecer comigo os jogadores e as celebridades de todos os cantos do planeta que vão estar aqui.

A estrutura é colossal e o torneio tem quatro fases principais e inúmeros campos secundários. Acima de tudo, temos que destacar a quadra principal (central) que leva o nome do lendário Arthur Ashe, com 23.000 assentos e um incrível teto retrátil, uma bela homenagem ao ex jogador de tênis afro-americano que em 1968, ganhou o primeiro US OPEN.
Para chegar ao US OPEN é só usar a linha 7 do metrô usando o seu MetroCard e após descer (parada Mets-Willets Point) vá para o leste. Dê uma olhada também na extremidade oposta, la vai estar o estádio dos Mets!
A poucos minutos a pé, se você não tiver feito a compra on-line, vai ver uma fila para compra de ingressos.
Que se torna bem grande durante a parte final do torneio.
O preço das entradas varia muito: ele começa a a partir de 75 dólares para o ground, com o qual você pode passear livremente em torno da área esportiva e ter acesso as quadras menores, caso você queira ver algum jogo mais importante, prepare-se para pagar alguns “mil” dólares.
Meu conselho, a menos que você seja um grande fã, é de aproveitar a possibilidade de participar desse evento, é pagando a entrada de 75 dólares, não que seja barato, mas é um valor justo para se desfrutar de um momento de relaxamento total em ambientes elegantes, grandiosos e divertidos ao mesmo tempo.






Meu passatempo favorito aqui, são os encontros inesperados em que o espírito competitivo e as apostas causam um ambiente com muita tensão (esportiva, é claro),  sendo o plano de fundo para grandes jogos.
Manhãs e tardes inesquecíveis, passadas em um ambiente descontraído entre autógrafos e sorrisos. Com as lendas do esporte, logo ali, a um passo.
Levem as crianças, especialmente para elas, tudo é uma grande festa.

Para comer, você tem várias opções, quase todas bem americanas. Um festival de hambúrgueres e cachorro-quente, servidos com uma avalanche de batatas fritas e todos os tipos de bebidas (escolha um copo grande e guarde como lembrança!).
O meu favorito, no entanto, é o Fish Shack, onde podemos desfrutar de uma salada gigante de lagosta e camarão por 21 dólares, sendo a melhor opção, especialmente se você não quiser sair da sua dieta. A salada é deliciosa!
O Neapolitan Express também é uma boa pedida, onde você pode desfrutar de uma boa pizza, "quase" autêntica.





E finalmente, podemos tomar uma boa xícara de café Lavazza, que são parceiros e patrocinadores do torneio. Os quiosques italianos de café estão espalhados por toda parte.
E não se esqueça de passar pela loja da Ralph Lauren (tem modelos incríveis de camisa polo!). É a marca oficial do torneio, os vendedores são extremamente simpáticos. Os americanos são altamente qualificados em "fazer dinheiro", mas eles também sabem como fazer você se sentir em casa.



O lindo passeio pelo High Line September 01 2016

Por: Mariagrazia De Luca

 deluca.marymary@gmail.com

E pensar que em 1999 estavam para demolir o resto da antiga linha ferroviária que em 2009, tornou-se, graças às constantes batalhas da associação Friends of the High Line, se tornou um dos mais belos e dinâmicos parques de Nova York.

Os restos ferroviários faziam parte do West Side Elevated Highway, que foi construído no início dos anos de 1900 para substituir a estrada de ferro que antigamente corria no nível da rua. Por causa da grande quantidade de acidentes que estvam acontecendo entre o tráfego local e o ferroviário, a 10th Avenue foi apelidada de "Death Avenue". Esse certamente não é o maior parque da cidade, não tem grandes lagos ou uma área com muita grama verde, onde você pode fazer um piquenique, como Central Park. Você também não pode andar de bicicleta no High Line bem porque é proibido o uso de bicicletas nesse parque.

O High Line é um lugar mágico por outras razões: Ele foi construído sobre os trilhos da antiga ferrovia, e o parque também oferece uma vista espetacular! Com o Rio Hudson de um lado e do outro ... o Empire e todos os outros edifícios históricos e modernos de downtown e Midtown, alguns visto de longe outros de perto durante a sua caminhada de quase dois quilômetros e meio do Meatpacking District até as ruas do Chelsea. Vocês vão passar ao lado do Standard Hotel, vai dar para ver as suítes e os seus hóspedes, alimentando o sonho de um dia ser você hospedado em uma das suítes de luxo desse hotel incrível. Nunca diga nunca, especialmente em Nova York. Caminhando pelo High Line podemos sentir o coração de Nova York batendo.

Informações sobre o High Line Park

Como chegar ao High Line

O High Line se estende ao longo de treze ruas, desde a Gansevoort Street (na metade do Meatpacking District) até a West 34th Street (entre 10th e a 12th Avenue).

Horário de abertura:

Embora durante os meses de inverno, o parque feche antes do pôr do sol, durante o verão, o parque fica aberto das 07:00 até as 23:00 horas.

Como se entra no parque?

Por elevadores: 14th, 16th, 23rd, 30th, 34th e na Gansevoort Street.

Por escadas: 18th, 20th, 26th, 28th, 30th street e 11th Avenue. 

Razões que fazem valer a pena visitar o parque

Há muitas razões para ir visitar o High Line, especialmente durante o verão, quando o parque fecha mais tarde do que o habitual, e as flores ganham mais cores e ficam mais brilhantes cercadas dos restos da antiga ferrovia que ainda são visíveis de algumas partes do parque... Enquanto vários artistas buscam nos entreter com suas apresentações originais, ao nosso nos vemos rodeados por instalações, muitas vezes excêntricas, que provocam o pensamento crítico e tornam o parque um lugar único onde a arte, a poesia e a paisagem industrial, histórica e natural se reúnem de forma surpreendente, talvez isso represente a harmonia de Nova Yorker.

As obras de arte

 

Ao caminhar pelo High Line, você vai encontrar obras de arte que vão deixá-lo com a boca aberta. Pelo menos isso aconteceu comigo quando eu conheci o Sleepwalker. Um homem de cueca andando com os olhos fechados e os braços para a frente como um verdadeiro sonambulo. "Eu não posso acreditar em meus olhos!" E só quando eu estava perto o suficiente, eu descobri que não era um homem de carne e osso, mas uma obra de arte "hiper-realista" feita pelo artista americano Tony Martelli. "Este é um parque único, o High Line é único no mundo!" O artista Giorgio Andreotta Calò, também exibe suas obras de arte no parque elevado. Há uma obra de arte muito original, o Wanderlust: São barras de latão finas inseridas entre as placas de linha de alta pavimento com nomes de personagens que viajaram por toda a América a pé. O trabalho foi inspirando por Peace Pilgrim, um ativista político que durante o século passado atravessou o país... 20 vezes!

Hoje cada artista que apresenta seus trabalhos na High Line refere-se ao projeto chamado "Wanderlust", que tem como tema central: O caminhar, a viagem, e a peregrinação.

Ver as estrelas do High Line

É gratuito e acontece toda terça-feira (até outubro) a partir do anoitecer até o fechamento do parque. O parque coloca a disposição dos visitantes telescópios profissionais, de onde você será capaz de apreciar as estrelas na companhia da Amateur Astrogy Association of NY. Em Nova York também é possível ver as estrelas de perto. O que vocês acham?

Dançar no High Line

Salsa, merengue e bomba são apenas alguns dos ritmos que é possível dançar dia 03 de agosto no High Line parque, na companhia de Aurora Flores e Zan del Barrio, dançarinos profissionais de Nova York. Algumas das bandas mais "hot" da cidade participam deste evento de dança, chamado de “¡Arriba!”.

Esportes

Se vocês gostam de esportes delicados (meditação) ou mais combatíveis (Tai Chi), você pode ter a experiência de algumas aulas gratuitas no High Line, toda terça-feira de manhã: Meditação, de 8 as 9. Tai Chi ( primeiro nível) 9:30 as 10:30.

Os evento do verão: O High Line se ilumina!

Já marquei na minha agenda eu não quero perder este evento incrível no High Line. Você também não deve perder, visite o site do High Line e faça o seu registro (Up Late, June 21st), é de graça, mas o número de bilhetes é limitado. http://www.thehighline.org/activities/up-late

E acima de tudo, lembre-se de chegar cedo. Como em muitos eventos gratuitos, nesse se aplica a regra do "primeiro a chegar, primeiro a ser servido", em outras palavras, há um risco de que o parque fique lotado rapidamente e você pode acabar ficando de fora. Então: Quinta-feira, 12 de julho de 22:00 à meia-noite o High Line será preenchido com apresentações nova-iorquinas de artistas excepcionais, alguns de renome internacional.

Blood Illumination é um dos mais interessantes e controversos. Na verdade, o artista Nova-iorquino Jordan Eagles usa o sangue como fonte primária de sua arte, geralmente ele usa sangue de animais, mas também faz uso do humano (como para Blood Mirror). As obras de Eagles são como uma provocação, como em 2014, o artista organizou um protesto contra a proibição de doação de sangue por homossexuais. Ele construiu obras de arte com o sangue de 9 homens, entre eles gays e transgêneros famosos. A obras de sangue contendo elementos orgânicos foi possível graças a um tratamento feito com resina que fazem as obras serem impressionantes, especialmente quando iluminadas na transparência por feixes de luz. As obras de Eagles tem a capacidade de interferir em nos mesmos, de forma profunda, íntima, visceral, difícil de colocar em palavras, mas que causam arrepios. Elas nos lembram de que somos feitos, a materialidade do sangue que nos mantém vivos: corpóreo, tangível, mas também como um elemento misterioso.

Durante o mês de agosto outros artistas vão invadir o High Line, como o corpo de dança Blanche Performance do Brooklyn. Os dançarinos quebram todas as barreiras entre o público e a arte, com um show interativo e surpreendente. Shadoah Goldman, o fundador da Carte Blanche, além de bailarino é um mestre de Shiatsu e um grande hipnotizador. O que mais podemos esperar desse espetáculo incrível?

O artista Merche Blasco também merece uma atenção especial, ele é um artista interdisciplinar que cria música eletrônica com instrumentos extremamente originais. Temos também a exibição do documentário Jackie 60: o filme, mostra todos os segredos das noites transgressivas da boate de Nova York Meatpacking 90.

Próximo ao High Line

Chelsea Market, Hudson River Park, Highline Ballroom (clube de música ao vivo), Chelsea Piers (um dos maiores complexos desportivos de Nova York), Whitney Museum of America, The Standard Biergarten (bar que pertence ao Standard Hotel, onde se pode provar um numero incrível de cervejas alemãs). 

 


Cem coisas que eu amo em Nova York May 19 2016

  •  O sol que nasce de repente.
  • A neve.
  • Um café quente em um bar no Brooklyn.
  • O labirinto das ruas da Times Square.
  • Sair às 3 da manhã e encontrar o supermercado aberto.
  • As pessoas cantando nas ruas.
  • Observar o topo do Empire.
  • Atravessar a Ponte do Brooklyn (ou Manhattan) em um táxi à noite.
  • Almoçar no Bryant Park.
  • Assistir um filme nos cinemas montado nos parques no verão.
  • Tomar um Martini em um terraço e não se preocupar com mais nada.
  • Tomar uma cerveja no Mcsorely’s Old Ale House, pub mais antigo de Nova York.
  • Fazer um jantar romântico no Tao Downtown.
  • Andar de bicicleta no Central Park.
  • Fazer um piquenique no Central Park.
  • Visitar o MoMA.
  • Comer um bagel com cream cheese no café da manhã.
  • Comer um donutno Dunkin 'Donuts.
  • Comer um cachorro-quente na rua.
  • Procurar as últimas notícias sobre os novos hambúrgueres nova-iorquinos.
  • Visitar a Frick Collection.
  • Tomar um Martini em um bar secreto.
  • Caminhar pelo High Line no verão.
  • Comer a lagosta do Lobster Palace, no interior do Chelsea Market.
  • Comer os peixes do bairro grego de Astoria.
  • O Sushi do East Village.
  • As pessoas que não desistem de seus sonhos.
  • A primeira vez na Times Square, quando você deslumbrar com todas as luzes.
  • O silêncio que a neve traz.
  • A linhaL do metrô anoite.
  • A linha J quando vamos do Brooklyn para Manhattan.
  • O gospel doHarlem.
  • Encontrar com amigos depois do trabalho.
  • Participar de uma conferência na casa ZerrilliMarimo.
  • As Pizzas itália-Americanas.
  • O Brooklyn e seus segredos.
  • As caixas d’águas enormes dos grandes edifícios.
  • As escadas de emergência.
  • Os bombeiros e suas incríveis sirenes.
  • A força dosgrafites nas ruas.
  • As galerias do Chelsea.
  • Os músicos que tocam na Washington Square.
  • As noites de Nova York que nunca terminam.
  • Union Square e seu mercado orgânico.
  • O memorial do 11 de Setembro.
  • Observar a Estátua da Liberdade à noite.
  • Comer um hambúrguer que não cabe em sua mão.
  • As batatas fritas do Pommes Frites.
  • Patinar no Rockefeller Center.
  • O espetáculo das Rockettes no Natal.
  • A Opera do Met.
  • Assistir um jogo de basquete no Barclays Center.
  • Passear por Williamsburg.
  • A vista do Brooklyn Heights.
  • A beleza do East River.
  • A galeria egípcia do Met.
  • A grandiosidade do Brooklyn Museum.
  • Um cupcake no final da tarde.
  • Tomar um chá no Plaza Hotel.
  • A vida noturna do Meatpacking District.
  • Os shows no Madison Square Garden.
  • Ir a um jogo de hóquei.
  • Os incríveis shows da Broadway.
  • A biblioteca de Strand.
  • As tradicionais casas do Upper West Side.
  • As mesas de pingpong do Fat Cat.
  • Me perder no Greenwich Village.
  • Os muitos bairros ítalo-americanos.
  • A Ellis Island e o Museu dosimigrantes.
  • O touro de Wall Street.
  • Os biscoitos e pãesrecém-assados às 3 da manhã.
  • O cappuccino gigante.
  • Aqueles que dançam Hip Hop.
  • Os dinossauros do Museu de História Natural.
  • Aa belezas do Museu Guggenheim.
  • Uma caminhada pela Artur Avenueno Bronx.
  • A Kat'z Delicatessen.
  • Os caminhões que fecham a rua para gravar um filme.
  • Os restaurantes do Hell’sKitchen.
  • O rockouvido no Lower East Side.
  • As patas de caranguejo do RedHook.
  • O arroz com frango.
  • O ramen do St. Mark’s Place.
  • Pegar a Balsa para chegar até o Staten Island.
  • O aspecto um pouco abandonado daConey Island.
  • A sensação que alguns dias que nunca vão acabar.
  • As pizzasde um dólar.
  • Os Jovens artistas do Bushswich.
  • Salsa dançada no Don Coqui no Queens.
  • Os mistérios de Flushing.
  • O teleférico de Roosevelt Island.
  • Os doces vendidos Korea Town.
  • O Brunch do Miss Favela.
  • Os pequenos parques com fontes escondidas.
  • A vista Top of the Rock.
  • O mistério em torno do bar Pleasedon’ttell.
  • O show Beauty & Essex.
  • Os drinks do Dead Rabbit.

                                                                                                                                                                                                        Como procurar trabalho em Nova York estando em seu próprio país May 15 2016


                                                                                                                                                                                                        • Bem, vamos começar. Não é fácil encontrar trabalho em um lugar distante. Não é fácil como procurar trabalho no lugar em que você vive. Mas se você está à procura de trabalho, e tem o sonho de morar Nova York, talvez você possa se dedicar pelo menos uma hora todas as manhãs para tentar alcançar o seu sonho. E pode fazer isso no país em que vive. A primeira coisa a fazer é interagir com o mercado de trabalho de Nova York.
                                                                                                                                                                                                        • Vamos começar dizendo que a solução mais simples é navegar por diferentes portais de emprego com vagas disponíveis nos Estados Unidos e Nova York.
                                                                                                                                                                                                        • Esses, muitas vezes, envolvem necessidade de experiência prévia, provavelmente no mesmo campo e, em qualquer caso, exigem um bom conhecimento de inglês. Por isso, pode ser difícil conseguir uma dessas vagas se estiver procurando pelo primeiro emprego e falar inglês básico ou intermediário. Poderá haver outros empecilhos para o trabalho como, por exemplo, ter qualificações elevadas e especializações.
                                                                                                                                                                                                        • Os nova-iorquinos utilizam outros sites, como indeed.com ou www.craiglist.com. Nesses sites há muitos anúncios de ofertas de emprego de todos os tipos: de barista a especialista em marketing. Em geral, eles são para os nova-iorquinos, ou seja, para aqueles que já vivem na grande metrópole.
                                                                                                                                                                                                        • Mas nada impede que você envie um currículo, mas não se esqueça de deixar claro que você precisa de um visto. Pelo menos para o primeiro ano e se isso não seria um problema: eles poderiam lhe dar um visto J-1, que é bastante simples. Muitas empresas podem preferir um estrangeiro a um nova-iorquino por duas razões. A primeira é que você custa menos para eles, pois a empresa paga menos para você, e a segunda é que seu visto estará vinculado à empresa, se você for demitido deverá retornar ao seu país de origem, para que isso não ocorra você irá se dedicar mais e melhor ao trabalho. Há uma terceira razão: a mais importante. Porque você fala português, e o trabalho oferecido talvez possa exigir conhecimentos de português.
                                                                                                                                                                                                        • Certamente você terá facilidade se a empresa que lhe oferece trabalho for de proprietários latinos, que falam português, ou têm alguma relação com o seu país de origem, para que eles possam precisar de seus serviços.
                                                                                                                                                                                                        • Se você conhece outras línguas, obviamente será muito apreciado. Além do inglês e português, o espanhol é sempre um adicional.
                                                                                                                                                                                                        • Não é fácil de encontrar trabalho em Nova York a partir de seu país de origem, é bom lembrar: são empregos para os nova-iorquinos ou pessoas que já estão na cidade. Mas enviar o currículo acompanhado de algumas linhas com uma apresentação bem feita mostra que você realmente está interessado e poderia fazer com que eles se interessassem em você. O currículo deve ter no máximo uma página. Você só precisa incluir suas experiências de trabalho anteriores e não deve incluir data de nascimento ou foto (para evitar a discriminação). Se você incluir a data de nascimento e foto, eles serão desconsiderados.
                                                                                                                                                                                                        • Se, se tratar de um empresário americano tente buscar compaixão. Eles gostam de positividade, dinamismo e otimismo. Não diga frases como: não há trabalho em seu país ou o salário é muito baixo. As pessoas que reclamam muito não são bem avaliadas.
                                                                                                                                                                                                        • Se você tem um currículo denso, seja com artigos ou pesquisa ou com boas especializações, existe um canal vantajoso. As grandes multinacionais em suas páginas online sempre possuem uma seção para anexar currículo ou onde postam vagas abertas. Consulte diretamente com a empresa que você está interessado e veja se há algo adequado para você.
                                                                                                                                                                                                        • Lembre-se que, em alguns setores criativos sua nacionalidade pode ser uma grande vantagem. Profissões como arquiteto, designer gráfico, cabeleireiro, maquiador, designer, estilista etc, possuem boas aceitações para nacionalidades diferentes. Neste caso, é importante ter um site ou arquivos em que você possa exibir seu trabalho.
                                                                                                                                                                                                        • Por outro lado, se você não fala inglês e está começando a sua experiência profissional, existe o método tradicional de imigrantes. Existem dois trabalhos que o imigrante pode fazer. O primeiro é de garçom, o segundo de babá. Especialmente nos primeiros meses. Embora por lei quem possui o visto de três meses não pode trabalhar, muitas pessoas que hoje moram em Nova York começou assim. Muitos trabalham enquanto turistas ou enquanto frequentam a escola de inglês. Repito, não é permitido, mas é bastante tolerado em Nova York, onde mais de 300.000 pessoas que trabalham não têm os direitos legais para fazê-lo. Você pode procurar trabalho em um restaurante quando chegar, mas se você quer ter certeza antes de sair de seu país, pode procurar na internet e enviar e-mails. Por experiência, a ajuda de um amigo é sempre importante e pode lhe dar o impulso necessário para encontrar um emprego em algum restaurante que ele já conhece. Paga bem e se trabalha muito.
                                                                                                                                                                                                        • O trabalho de babá é para pessoas do sexo feminino por excelência, e para quem inicia sua vida profissional.
                                                                                                                                                                                                        • O problema com o visto é claramente o principal obstáculo. Pode ser que a empresa não queira pagar pelo visto, neste caso, durante as "negociações" se eles virem que estão perdendo uma boa oportunidade, podem propor dividir os custos do visto, ou que você pague pelo o visto. Isso será apreciado, pois mostra que você está realmente interessado no trabalho.
                                                                                                                                                                                                        • E, finalmente, eu repito: se vier até aqui e bater na porta da empresa, é muito melhor. Mas se você realmente não pode fazer isso, mas possui tempo livre, faça duas coisas: estude inglês e envie currículos para os Estados Unidos. Isso não vai acontecer imediatamente, mas gradualmente você entrará na "mentalidade americana" e, eventualmente, terá êxito. SUCESSO!