Notizie, curiosita',aneddoti, e fantasie su New York – tagged "subway" – Minha Viagem a Nova York Google+

Autenticamente Nova York

O Jardim Botânico do Brooklyn April 29 2019

Nova York não é feita apenas arranha-céu, mas é uma metrópole cheia de espaços verdes que permitem que tanto os nova-iorquinos quanto os turistas se isolem do frenesi da cidade que nunca dorme e aproveitem momentos de relaxamento e recreação.

Entre esses espaços verdes, um lugar especial é ocupado pelo Jardim Botânico do Brooklyn, no Jardim Botânico do Brooklyn. É uma das principais atrações da Big Apple para aqueles que amam a natureza e estão entre os lugares mais bonitos para visitar durante a primavera de Nova York.


Portanto, se você está em Nova York neste momento, aconselho a não perder a oportunidade de admirar este maravilhoso jardim botânico. Além disso, todos os anos, no final deste mês e início de maio (este ano nos dias 27 e 28 de abril), é realizado o Sakura Blossom Cherry Blossom Festival, que é o festival da flor de cerejeira. Um show único!

Para saber tudo o que você precisa saber sobre o Jardim Botânico do Brooklyn, continue lendo!

História

No século XIX, este parque era apenas um depósito para as cinzas. A decisão de construir um jardim botânico remonta a 1897 e em 1910 o Jardim Botânico do Brooklyn foi oficialmente inaugurado. Inicialmente, o jardim não era tão rico em seções e áreas como hoje; por exemplo, o famoso Jardim Japonês foi concluído mais tarde, bem como uma série de atividades e eventos que tornaram essa atração em Nova York muito popular ao longo do tempo.

Hoje, o Jardim Botânico do Brooklyn ocupa uma área de cerca de 21 hectares e abriga, por dentro, extraordinárias variedades de plantas e flores que dão vida a cenários oníricos! Com mais de 12.000 espécies de plantas, é uma parada imperdível para os amantes da natureza. No site oficial, há uma seção onde você pode ver as plantas com flores do período.

Principais atrações e pontos de interesse

Uma das atrações mais importantes do Jardim Botânico do Brooklyn é o Jardim Japonês. É um jardim de inspiração japonesa com muitas cerejeiras que estão em plena floração na primavera e, portanto, neste momento, elas atingem seu máximo esplendor. Eles completam a paisagem: o pequeno lago, o templo xintoísta, as rochas, as pontes de madeira ... parece ter sido transportado da terra do sol nascente.

Outro ponto de interesse é o Cranford Rose Garden. Este jardim é uma extraordinária explosão de rosas. Pense um pouco: alguns deles foram plantados em 1927! Nesta seção, a floração começa em junho e dura até setembro, dando um cenário fantástico: mais de 1.400 variedades de rosas com cores iridescentes e aromas inebriantes.

O Lily Pool Terrace é muito popular. Para começar você verá as piscinas de nenúfares, plantas aquáticas e plantas carnívoras que povoam esta área do jardim botânico.

Se você visitar o Brooklyn Botanic Garden no outono, não poderá deixar de admirar o Rock Garden: o jardim de pedras cheio de árvores verdes e arbustos floridos.

No inverno, no entanto, a neve torna o jardim botânico ainda mais mágico! E para se aquecer, você pode se refugiar dentro da estufa do Steinhardt Conservatory. Bem aqui, além de plantas tropicais, há uma enorme coleção de bonsai!

Há muitas outras seções e áreas que compõem o Jardim Botânico do Brooklyn. Todos juntos contribuem para tornar este jardim botânico especial em qualquer estação que seja visitada. Além disso, os eventos, organizados periodicamente, não deixam você entediado! Clique aqui para descobrir o que está no cronograma.

Como chegar

O Brooklyn Botanic Garden está localizado no Prospect Park, no coração do Brooklyn e atrás do Brooklyn Museum. O endereço a ser digitado no Google Maps para alcançá-lo é o seguinte: 990 Washington Ave, Brooklyn, NY.

De metro, você pode chegar lá, pegando as linhas B e Q (parada Prospect Park), a linha S (parada do Jardim Botânico) e as linhas 2 e 3 (parada Eastern Parkway-Brooklyn Museum).

Horários e Tickets

Abaixo estão os horários do Jardim Botânico do Brooklyn:

- de março a outubro, de terça a sexta, das 8:00 às 18:00 horas (de abril a setembro, quase toda terça-feira, o jardim fecha às 8 ou 20h30)

Sábado e domingo das 10:00 às 18:00h.

Fechando na segunda-feira (exceto exceções)

- novembro

de terça a sexta-feira das 8:00 às 16:30h.

Sábado e domingo das 10:00 às 16:30h.

fechando na segunda e no dia de ação de graças

de dezembro a fevereiro

de terça a domingo, das 10:00 h às 16:30 h

Fechamento de segunda-feira (exceto exceções)

Fechado no Natal e Ano Novo

Este ano, em 2019, de março a novembro, a entrada do jardim botânico é gratuita todas as sextas-feiras até o meio-dia. Enquanto, de dezembro a fevereiro, o acesso será gratuito nos dias de semana. Em geral, o preço do ingresso para adultos é de $ 15, enquanto que para os idosos (> 65 anos) e para os estudantes é de $ 8. Crianças (menores de 12 anos) têm direito a entrada gratuita.

Obviamente, para acesso aos festivais organizados dentro do jardim (por exemplo, o de Sakura Matsuri nos dias 27 e 28 de abril) é necessário adquirir outro ingresso. Aqui você pode aprender mais com outras informações.

Além disso, o Brooklyn Botanic Garden faz parte do circuito de New York Pass, que permite a entrada com desconto em muitas atrações de Nova York. Clique aqui para comprá-lo

Outra possibilidade é o chamado Bilhete de Arte e Jardim, que permite a você visitar tanto o jardim botânico quanto o Museu do Brooklyn nas proximidades, com um único bilhete no mesmo dia.

 


O Jardim Botânico do Brooklyn April 29 2019

Nova York não é feita apenas arranha-céu, mas é uma metrópole cheia de espaços verdes que permitem que tanto os nova-iorquinos quanto os turistas se isolem do frenesi da cidade que nunca dorme e aproveitem momentos de relaxamento e recreação.

Entre esses espaços verdes, um lugar especial é ocupado pelo Jardim Botânico do Brooklyn, no Jardim Botânico do Brooklyn. É uma das principais atrações da Big Apple para aqueles que amam a natureza e estão entre os lugares mais bonitos para visitar durante a primavera de Nova York.


Portanto, se você está em Nova York neste momento, aconselho a não perder a oportunidade de admirar este maravilhoso jardim botânico. Além disso, todos os anos, no final deste mês e início de maio (este ano nos dias 27 e 28 de abril), é realizado o Sakura Blossom Cherry Blossom Festival, que é o festival da flor de cerejeira. Um show único!

Para saber tudo o que você precisa saber sobre o Jardim Botânico do Brooklyn, continue lendo!

História

No século XIX, este parque era apenas um depósito para as cinzas. A decisão de construir um jardim botânico remonta a 1897 e em 1910 o Jardim Botânico do Brooklyn foi oficialmente inaugurado. Inicialmente, o jardim não era tão rico em seções e áreas como hoje; por exemplo, o famoso Jardim Japonês foi concluído mais tarde, bem como uma série de atividades e eventos que tornaram essa atração em Nova York muito popular ao longo do tempo.

Hoje, o Jardim Botânico do Brooklyn ocupa uma área de cerca de 21 hectares e abriga, por dentro, extraordinárias variedades de plantas e flores que dão vida a cenários oníricos! Com mais de 12.000 espécies de plantas, é uma parada imperdível para os amantes da natureza. No site oficial, há uma seção onde você pode ver as plantas com flores do período.

Principais atrações e pontos de interesse

Uma das atrações mais importantes do Jardim Botânico do Brooklyn é o Jardim Japonês. É um jardim de inspiração japonesa com muitas cerejeiras que estão em plena floração na primavera e, portanto, neste momento, elas atingem seu máximo esplendor. Eles completam a paisagem: o pequeno lago, o templo xintoísta, as rochas, as pontes de madeira ... parece ter sido transportado da terra do sol nascente.

Outro ponto de interesse é o Cranford Rose Garden. Este jardim é uma extraordinária explosão de rosas. Pense um pouco: alguns deles foram plantados em 1927! Nesta seção, a floração começa em junho e dura até setembro, dando um cenário fantástico: mais de 1.400 variedades de rosas com cores iridescentes e aromas inebriantes.

O Lily Pool Terrace é muito popular. Para começar você verá as piscinas de nenúfares, plantas aquáticas e plantas carnívoras que povoam esta área do jardim botânico.

Se você visitar o Brooklyn Botanic Garden no outono, não poderá deixar de admirar o Rock Garden: o jardim de pedras cheio de árvores verdes e arbustos floridos.

No inverno, no entanto, a neve torna o jardim botânico ainda mais mágico! E para se aquecer, você pode se refugiar dentro da estufa do Steinhardt Conservatory. Bem aqui, além de plantas tropicais, há uma enorme coleção de bonsai!

Há muitas outras seções e áreas que compõem o Jardim Botânico do Brooklyn. Todos juntos contribuem para tornar este jardim botânico especial em qualquer estação que seja visitada. Além disso, os eventos, organizados periodicamente, não deixam você entediado! Clique aqui para descobrir o que está no cronograma.

Como chegar

O Brooklyn Botanic Garden está localizado no Prospect Park, no coração do Brooklyn e atrás do Brooklyn Museum. O endereço a ser digitado no Google Maps para alcançá-lo é o seguinte: 990 Washington Ave, Brooklyn, NY.

De metro, você pode chegar lá, pegando as linhas B e Q (parada Prospect Park), a linha S (parada do Jardim Botânico) e as linhas 2 e 3 (parada Eastern Parkway-Brooklyn Museum).

Horários e Tickets

Abaixo estão os horários do Jardim Botânico do Brooklyn:

- de março a outubro, de terça a sexta, das 8:00 às 18:00 horas (de abril a setembro, quase toda terça-feira, o jardim fecha às 8 ou 20h30)

Sábado e domingo das 10:00 às 18:00h.

Fechando na segunda-feira (exceto exceções)

- novembro

de terça a sexta-feira das 8:00 às 16:30h.

Sábado e domingo das 10:00 às 16:30h.

fechando na segunda e no dia de ação de graças

de dezembro a fevereiro

de terça a domingo, das 10:00 h às 16:30 h

Fechamento de segunda-feira (exceto exceções)

Fechado no Natal e Ano Novo

Este ano, em 2019, de março a novembro, a entrada do jardim botânico é gratuita todas as sextas-feiras até o meio-dia. Enquanto, de dezembro a fevereiro, o acesso será gratuito nos dias de semana. Em geral, o preço do ingresso para adultos é de $ 15, enquanto que para os idosos (> 65 anos) e para os estudantes é de $ 8. Crianças (menores de 12 anos) têm direito a entrada gratuita.

Obviamente, para acesso aos festivais organizados dentro do jardim (por exemplo, o de Sakura Matsuri nos dias 27 e 28 de abril) é necessário adquirir outro ingresso. Aqui você pode aprender mais com outras informações.

Além disso, o Brooklyn Botanic Garden faz parte do circuito de New York Pass, que permite a entrada com desconto em muitas atrações de Nova York. Clique aqui para comprá-lo

Outra possibilidade é o chamado Bilhete de Arte e Jardim, que permite a você visitar tanto o jardim botânico quanto o Museu do Brooklyn nas proximidades, com um único bilhete no mesmo dia.

 


Você já visitou o clube mais antigo de jazz do Harlem? June 14 2016

Por: Mariagrazia De Luca

deluca.marymary@gmail.com

Foi no distante ano de 1969, quando Samuel Hargress, Jr., fundou o Paris Blues Jazz Club, nessa mesma rua, no número 2021 na Adam Clayton Powell, Jr. Blvd, entre a 121 e a 7th Avenue. Samuel Hargress, ou Sam, como todos os seus amigos e visitantes o chamavam, é uma verdadeira instituição aqui no bairro. Ele estava aqui na época dos protestos dos negros americanos no final dos anos 70, quando mataram Martin Luther King, e também presenciou os momentos mais difíceis da vizinhança quando era perigoso andar pelas ruas do Harlem, que fizeram com que os judeus e italianos, que vivam aqui na época, começassem a se mover mais para perto de downtown. Os custos dos imóveis nessa área eram muito baixos, por isso Sam comprou este restaurante e começou a promover o jazz, trazendo os grandes artistas que passaram a povoar o bairro da cidade. E é incrível, até hoje, nada mudou no Paris Blues. Sam está sempre lá, entretendo os visitantes e encontrando novos e velhos amigos. Um lugar que os leitores do Minha Viagem e os amantes do jazz de Nova York e definitivamente devem visitar.

Sam faz parte da história do Harlem e da cidade de Nova York. Ele tem 78 anos e desde os 48 participa da gestão do “the Harlem’s oldest and only live jazz dive since 1969”.

Pedi desculpas pelo meu ligeiro atraso, e Sam imediatamente começou a me contar sobre o seu bar. Logo emerge um profundo amor e orgulho deste lugar que já recebeu muitos músicos e fãs apaixonados pelo jazz.

"Nós temos música ao vivo todas as noites, as sessões duram praticamente a noite toda, até mais ou menos quatro horas da manhã." Ele me contou isso com muito orgulho. "Hoje temos uma banda de 21 horas até 01 hora, depois outra até às 04 horas."

Pergunto ao Sam quem são os músicos que tocam no Paris Blues e como as coisas mudaram nesses quarenta anos que bar funciona. "Alguns músicos dos velhos tempos ainda estão aqui, outros já se aposentaram, mas ocasionalmente vem nos visitar. Alguns rodam por ai, e de repente, voltam ao Harlem e claro, vem para o Paris Blues”.

"Qual o musico mais importante de Jazz que já tocou aqui Sam?", Pergunto com a confiança que rapidamente se confirmou na conversa.

"O personagem mais importante de jazz que já esteve aqui é meu vizinho! Waycliffe Gordon, (https://wycliffegordon.com) mora aqui nesta rua. Às vezes, ele vem aqui para Paris Blues e senta-se no bar, e depois junta-se uma das bandas que e começa a tocar seu trombone. Ele toca frequentemente no Lincoln Center, mas esta sempre aqui com a gente, somos amigos a quase uma vida inteira. "

"Sam, como era o Harlem há 50 anos?", Eu não sou capaz de imaginar todas as mudanças que esse bairro sofreu durante as manifestações pelos direitos iguais dos afro-americanos, e no que ele se tornou hoje. Sam e seu clube foram testemunhas disso e de muito mais.

"O bairro não era um lugar fácil de viver. O assassinato de Martin Luther King, as pessoas saindo às ruas para se expressar ... Eu vivo em Nova York há 55 anos. Eu nasci no Alabama, me alistei no exército e fiquei nele por um tempo. Meu irmão estava aqui, então eu pensei em vir morar com ele. Meu irmão me encontrou um emprego, neste mesmo local, mas aqui era totalmente diferente. Ele era administrado por judeus e não tinha música ao vivo. O Harlem, em seguida, começou a mudar rapidamente, e nem sempre para melhor. As pessoas vinham morar aqui porque era perigoso, então elas poderiam comprar casas mais baratas, e foi isso que eu fiz. Com o prefeito Giuliani as coisas começaram a melhorar. Ele conseguiu diminuir muito a criminalidade na cidade".

Sam parece ver o lado positivo da "elitização" do bairro. O Harlem, em sua opinião, ainda é um lugar real, e, de fato, muito dinheiro se move aqui e isso é bom para os seus negócios.

"Harlem é muito melhor hoje, com certeza ele nunca foi tão bom!” Para mim, essa “elitização” também significa que turistas de todo o mundo vêm aqui. 60% dos clientes atualmente são turistas. Em suma, essa “elitização” não me incomoda, porque isso significa mais dinheiro para mim.

Sam explica que, apesar disso, o local é exatamente como era há 50 anos.

"Eu sou do sul, certo? Ok, aqui conservamos os mesmos hábitos, como em Louisiana. Temos um free buffet e todos comem juntos ".

Quando pergunto quais são seus planos para o futuro, um sorriso aparece, e ele me informa que daqui a 3 ou 4 anos o seu filho irá herdar o clube. "Meu filho vai lidar com isso pelos próximos 40 anos! Mas eu me preocupo, e vou tentar me manter por perto até quando eu aguentar”.

"Sam", eu pergunto antes de me despedir, "Posso convidar os leitores do Minha Viagem à Nova York para vir aqui no Harlem e ouvir boa música em seu Jazz Club?”.

“Sure! Toda segunda-feira e terça-feira há também um atendente italiano que trabalha com a gente.” “E quando perguntado o qual o melhor dia para visitar o Paris Blues, Sam me respondeu sem hesitação”.

"Tonight!"

Eu tenho a impressão de que todas as noites são perfeitas para visitar Paris Blues.


Bushwick, o bairro com maior quantidade de artistas no mundo que fica no coração do Brooklyn May 22 2016

Texto e foto de Luca Marfé

FacebookLuca Marfé Photography - Twitter: @marfeluca - Instagram@lucamarfe

 

Partiremos de um conceito muito simples: se você ama o grafite, você tem que conhecer Bushwick, imediatamente.

Na linha L da Union Square em direção ao Brooklyn, desça na Jefferson Street e comece a andar pelo universo hipster mais cool de Nova York.

Uma viagem dentro de uma viagem para todos os amantes da Big Apple.

Antes mesmo de saltar do metrô, comece a limpar a tela de seu telefone (ainda melhor se tiver função contínua), pois sua imagem pode ser cortada.

Entre na Wyckoff Avenue e ande em direção a Troutman Street e se perca entre as milhares de diferentes expressões artísticas que moradores e simples frequentadores têm dado a este bairro cada vez mais visitado.

No passado aqui havia grande quantidade de fábricas, hoje muitas delas estão abandonadas e se tornaram o coração pulsante do talento nova-iorquino.

Troutman Street, acho, particularmente, uma obra-prima de cores e visões. Os murais são enormes e cobrem fachadas inteiras de edifícios. Você pode ir e voltar pelas obras pelo menos umas dez vezes, no entanto, nunca será suficiente e você sempre irá querer mais. E a cada passo verá algo novo, um detalhe ou um enorme portão que um momento antes você não tinha observado.

Maravilhas urbanas.

Existem muitas mensagens fortes, de cunho político e social. A arte não é só estética, mas os artistas querem fazer com que as pessoas escutem suas vozes e mudem as coisas erradas.

E o que dizer da diversidade? Você vai se deparar com personagens de todos os tipos. Os artistas de rua e os cidadãos comuns do mundo em busca de um momento de relaxamento, incluindo uma cerveja gelada (totalmente artesanal!) e alguns aperitivos, quaisquer que sejam.

Deixe em casa qualquer vestígio de timidez e se entregue: você terá as conversas mais absurdas e interessantes de sua vida!

Entre os lugares para escolher está o The Rookery, à direita na Troutman Street. O balcão é ótimo, a seleção de cerveja é interminável e o hambúrguer, o melhor que já caiu em minhas mãos! Tudo a preços relativamente baixos e com um belo jardim do lado de fora.

Como alternativa, existe um lugar mais famoso e, certamente, mais caro, o Sea Wolf, local de Wyckoff e Troutman. Você come divinamente (carne e peixe), o lugar é muito bom, tem um espaço amplo tanto interno quando externo e as bebidas são deliciosas. O único ponto sensível: a conta. A equipe está sempre muito ocupada e por isso muitas vezes não é amigável.

Quando você voltar para Manhattan (sei que estamos falando de Manhattan!), parece que está voltando para o planeta Terra.

Porque, como diz a obra de arte na área, Bushwick é uma espécie de "outro planeta".  E, na minha cabeça, será assim por um bom tempo.

 


Cem coisas que eu amo em Nova York May 19 2016

  •  O sol que nasce de repente.
  • A neve.
  • Um café quente em um bar no Brooklyn.
  • O labirinto das ruas da Times Square.
  • Sair às 3 da manhã e encontrar o supermercado aberto.
  • As pessoas cantando nas ruas.
  • Observar o topo do Empire.
  • Atravessar a Ponte do Brooklyn (ou Manhattan) em um táxi à noite.
  • Almoçar no Bryant Park.
  • Assistir um filme nos cinemas montado nos parques no verão.
  • Tomar um Martini em um terraço e não se preocupar com mais nada.
  • Tomar uma cerveja no Mcsorely’s Old Ale House, pub mais antigo de Nova York.
  • Fazer um jantar romântico no Tao Downtown.
  • Andar de bicicleta no Central Park.
  • Fazer um piquenique no Central Park.
  • Visitar o MoMA.
  • Comer um bagel com cream cheese no café da manhã.
  • Comer um donutno Dunkin 'Donuts.
  • Comer um cachorro-quente na rua.
  • Procurar as últimas notícias sobre os novos hambúrgueres nova-iorquinos.
  • Visitar a Frick Collection.
  • Tomar um Martini em um bar secreto.
  • Caminhar pelo High Line no verão.
  • Comer a lagosta do Lobster Palace, no interior do Chelsea Market.
  • Comer os peixes do bairro grego de Astoria.
  • O Sushi do East Village.
  • As pessoas que não desistem de seus sonhos.
  • A primeira vez na Times Square, quando você deslumbrar com todas as luzes.
  • O silêncio que a neve traz.
  • A linhaL do metrô anoite.
  • A linha J quando vamos do Brooklyn para Manhattan.
  • O gospel doHarlem.
  • Encontrar com amigos depois do trabalho.
  • Participar de uma conferência na casa ZerrilliMarimo.
  • As Pizzas itália-Americanas.
  • O Brooklyn e seus segredos.
  • As caixas d’águas enormes dos grandes edifícios.
  • As escadas de emergência.
  • Os bombeiros e suas incríveis sirenes.
  • A força dosgrafites nas ruas.
  • As galerias do Chelsea.
  • Os músicos que tocam na Washington Square.
  • As noites de Nova York que nunca terminam.
  • Union Square e seu mercado orgânico.
  • O memorial do 11 de Setembro.
  • Observar a Estátua da Liberdade à noite.
  • Comer um hambúrguer que não cabe em sua mão.
  • As batatas fritas do Pommes Frites.
  • Patinar no Rockefeller Center.
  • O espetáculo das Rockettes no Natal.
  • A Opera do Met.
  • Assistir um jogo de basquete no Barclays Center.
  • Passear por Williamsburg.
  • A vista do Brooklyn Heights.
  • A beleza do East River.
  • A galeria egípcia do Met.
  • A grandiosidade do Brooklyn Museum.
  • Um cupcake no final da tarde.
  • Tomar um chá no Plaza Hotel.
  • A vida noturna do Meatpacking District.
  • Os shows no Madison Square Garden.
  • Ir a um jogo de hóquei.
  • Os incríveis shows da Broadway.
  • A biblioteca de Strand.
  • As tradicionais casas do Upper West Side.
  • As mesas de pingpong do Fat Cat.
  • Me perder no Greenwich Village.
  • Os muitos bairros ítalo-americanos.
  • A Ellis Island e o Museu dosimigrantes.
  • O touro de Wall Street.
  • Os biscoitos e pãesrecém-assados às 3 da manhã.
  • O cappuccino gigante.
  • Aqueles que dançam Hip Hop.
  • Os dinossauros do Museu de História Natural.
  • Aa belezas do Museu Guggenheim.
  • Uma caminhada pela Artur Avenueno Bronx.
  • A Kat'z Delicatessen.
  • Os caminhões que fecham a rua para gravar um filme.
  • Os restaurantes do Hell’sKitchen.
  • O rockouvido no Lower East Side.
  • As patas de caranguejo do RedHook.
  • O arroz com frango.
  • O ramen do St. Mark’s Place.
  • Pegar a Balsa para chegar até o Staten Island.
  • O aspecto um pouco abandonado daConey Island.
  • A sensação que alguns dias que nunca vão acabar.
  • As pizzasde um dólar.
  • Os Jovens artistas do Bushswich.
  • Salsa dançada no Don Coqui no Queens.
  • Os mistérios de Flushing.
  • O teleférico de Roosevelt Island.
  • Os doces vendidos Korea Town.
  • O Brunch do Miss Favela.
  • Os pequenos parques com fontes escondidas.
  • A vista Top of the Rock.
  • O mistério em torno do bar Pleasedon’ttell.
  • O show Beauty & Essex.
  • Os drinks do Dead Rabbit.

                                                                                                                                                                                                        Você Sabia que no Metrô da Times Square Podemos Encontrar uma Obra de Roy Lichtenstein April 26 2016

                                                                                                                                                                                                        por Mariagrazia De Luca

                                                                                                                                                                                                        deluca.marymary@gmail.com

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        O metrô é um dos lugares que você não pode deixar de visitar em Nova York.

                                                                                                                                                                                                        Vai parecer estranho, mas o metrô pode ser um destino muito útil em sua viagem, no metrô de Nova York, além de você ter contato com os personagens que povoam a cidade no seu dia a dia, ele também é considerado “um museu" underground da cidade. Há muitas obras de arte, esculturas, pinturas e murais de artistas famosos. A pressa às vezes não deixa você prestar atenção em tudo.

                                                                                                                                                                                                        Você sabia, por exemplo, que na estação da Times Square existe um mural gigante feito por Roy Lichtenstein, um dos fundadores da Pop Art, junto com Andy Warhol? Eu mesmo só descobri isso recentemente, e olha que já estou morando em Nova York há mais de três anos.

                                                                                                                                                                                                        Até mesmo o presidente da Casa Cinematográfica IndependenteTroma, Lloyd Kaufman, aconselhou os leitores do Minha Viagem a Nova York a pegar o metrô: é lá que você encontra os personagens excêntricos,  que são realmente nova-iorquinos.

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        https://www.ilmioviaggioanewyork.com/blogs/news/100412998-troma-building-la-casa-indipendente-piu-vecchia-damerica-labbiamo-visitata

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        Em apenas um vagão podemos concentrar o mundo todo: Latinos, afro-americanos, pessoas de vários países distantes (que muitas vezes você nem sabia que existia no mapa geográfico), turistas de todos os lugares do mundo, todos conhecendo a cidade e usando o meio mais conveniente e eficiente de transporte. A linha de Nova York parece ser realmente a mais extensa linha de metrô do mundo: 24 linhas, 469 estações, e milhões de pessoas todos os dias utilizando esse serviço.

                                                                                                                                                                                                        Aqui estão três regras que você deve seguir para explorar Nova York de metrô:

                                                                                                                                                                                                        Regra número um: devagar! Fique calmo para não ser infectado pelo ritmo acelerado dos nova-iorquinos.

                                                                                                                                                                                                        Regra número dois:Olhe a sua volta! Repare em tudo ao seu redor. A Arte está em toda parte, às vezes bem na frente do seu nariz. Em vez de se concentrar na placa alertando que o trem vai chegar em 2 minutos, preste atenção ao seu redor, nas obras de arte de valor inestimável perto de você.

                                                                                                                                                                                                        Regra número três: Baixe esse aplicativo móvel: Meridian, ele irá localizar as obras de arte mais próximas de você. Você também pode procurá-las, usando a escolha "por linhas" ou "pelo artista", e você também tem a opção de "tour".

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        O CARÁTER "UNDERGROUND" DO METRÔ DE NOVA YORK

                                                                                                                                                                                                        Se você for uma pessoa curiosa no metrô de Nova York certamente não irá se cansar,vários artistas de rua se apresentam lá. Entre eles, um grupo de crianças dançando breakdanceque irá deixar você sem palavras com seus truques, piruetas e saltos duplos. Se você observar algumas crianças raspando a cabeça no chão em suas cambalhotas, não fique assustado: elas são profissionais treinadas.

                                                                                                                                                                                                        Existem também guitarristas talentosos, e também violinistas, pianistas e saxofonistas... Que vão fazer você se emocionar com alguns covers dos Beatles e de outras bandas famosas, você também vai ver os tocadores de bongo que ficam em suas cadeiras dobráveis no meio do movimentohipnotizando todos ao seu redor com seus ritmos africanos.

                                                                                                                                                                                                        Há pessoas esperando para tirarem sua “pausa do sono”,Se você reparar no número de pessoas dormindo no metro, vai se assustar! Podemos dizer que metades das pessoas estão dormindoe a outra metade está no telefone, pessoas mais velhas estão com o New York Times aberto (será que eles estão realmente lendo?), mas quase todos, estão ouvindo música com seus fones de ouvido.

                                                                                                                                                                                                        Há também pessoas que dormem em algumas estações (e roncam!), Pois ali é o seu lar temporário, especialmente quando está frio lá fora, é um lugar quente e relativamente seguro. Há pessoas utilizando seu horário de almoço nas estações porque não a tempo de ir a um restaurante. Podemos ver também pessoas recitando poemas, lendo cartas, que proclama a vinda de Deus e aconselhando os viajantes: "Amor é seguir Jesus, Isso irá te assegurar um lugar no céu".

                                                                                                                                                                                                        Uma poucos dias uma menina me deu um cartão, desses de marketing com o titulo, "aconselhamento": Eu não entendi muito bem, aconselhamento geral para qualquer tipo de problema?Era uma espécie de conselheira espiritual. Ela se apresentou com muita segurança e profissionalismo e eu aceitei seu cartão de visita. Se vou chamá-la? Nunca diga nunca! Mais cedo ou mais tarde eu posso precisar de um “aconselhamento espiritual” para sobreviver em Nova York.

                                                                                                                                                                                                        Uma coisa interessante que devemos notar durante a "viagem" pelo metrô de Nova York é como ela muda a fisionomia das pessoas de acordo com a estação que ele para. Não só a aparência, status social, categoria de trabalho, mas até o humor dos passageiros. Se você passar pelas paradas ao redor de Wall Street, você terá boas chances de tropeçar em homens de terno e mulheres elegantes, embora estejam com tênis debaixo da saia, provavelmente correndo atrás de uma promoção em seus escritórios.

                                                                                                                                                                                                        Nas paradas ao redor da Times Square turistas lotam o metrô. Perto da parada deBedford L, os passageiros parecem jovens e modernos (estamos em Williamsburg!) um ponto artísticos. Se você ficar no metrô 2, 5 ou 6 para o Bronx, você vai ver que pouco a pouco o vagão vai se esvaziando de turistas, os rostos das pessoas tornam-se mais melancólicos e cansados. São os verdadeiros nova-iorquinos que voltando para casa depois do trabalho.Eles demoram uma hora ou mais dentro do metrô para trabalhar no centro, onde o aluguel é muito alto e eles não conseguem pagar, e não têm outra escolha senão se deslocar para as áreas periféricas do Bronx ou Brooklyn. Isso mostra que também podemos ver pobreza e degradação no metrô de Nova York.

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        UM MUSEU UNDERGROUND: TIMES SQUARE

                                                                                                                                                                                                        Os terminais mais cheios, onde convergem muitas linhas do metro (1, 2, 3, S, 7, Q, R, N e a passagem subterrânea para A, C, E), junto com o da Times Square é uma das áreas que mais são vistas superlotações, tente evitar essas linhas em horários de pico. No entanto, quando tiver passando por essas estações use um pouco do seu tempo para descobrir as obras de arte que estão escondidas dentro delas.

                                                                                                                                                                                                        Aqui está uma mini tour que você pode seguir.

                                                                                                                                                                                                        A entrada gigante de mármore na rua 42 com a 9th Avenue.

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        No metrô que liga PortAuthority a Times Square e feito por enormes paredesde mármores gigantes, são murais fazendo um mosaico na parede, o efeito visual é incrível. E o "mosaico de vidro” de "Lisa Dinhofer" (2003), localizado em frente ao metrô é o meu favorito: simula um chão quadriculado, onde há muito mármore disperso pela parede. É um bom jogo de perspectiva, para não mencionar as cores vibrantes usadas. Nem sei quantas vezes passei por aqui com pressa, e não reparei nessa bela obra de arte. Como isso é possível?

                                                                                                                                                                                                        A linha que vai de PortAuthority no sentido Times Square tem algumas mensagens (subliminares?) para os viajantes.

                                                                                                                                                                                                        O metrô da Times Square está sempre lotado, e em poucos olham para cima, onde estão escritas, muitas vezes, uma palavra ou uma pergunta, e elas sempre parecem querer dizer alguma coisa para aqueles que estão viajando.

                                                                                                                                                                                                        OVERSLEPT, - SO TIRED, - IF LATE, -WHY BOTHER? -WHY THE PAIN? - JUST GO HOME. - DO IT AGAIN.

                                                                                                                                                                                                        Parece um aviso (irônico) para se pensar na vida. Deixo-lhes a interpretação.

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        No final da passarela pertodas escadas que levam você até o andar de cima, pode-se encontrar outros mosaicos interessantes. E você sabe que muitos desses mosaicos foram feitos por Travisanutto uma família italiana de Veneto, será que foram encomendados? De qualquer modo há um pedaço da Itália no metrô da Times Square!

                                                                                                                                                                                                         The return of Spring.  The Onset of Winter.

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        O trabalho do "pintor realista" Jack Beal, um artista de Nova York, que morreu aos 82 anos, há alguns anos atrás,retrata algumas cenas da vida em Nova York. O frescor de "The Returnof Spring", que retrata a vida da alta sociedade, os operários quetrabalham duro (uma homenagem a construção do metrô?), e uma imagem do mercado. As cores das frutas são muito brilhantes, e os olhos das mulheres estão sempre em primeiro plano (basta você olhar!) colocandocerto temor na imagem.

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        No“The OnsetofWinter”e retratado a imagem da gravação de um filme: o protagonista parece ser uma mulher que entra no metrô, enquanto está nevando lá fora (é curioso pois ela esta de manga curta), enquanto varias pessoas estão reunidas observando tudo. O diretor-cameraman usa uma câmera de antiquado.

                                                                                                                                                                                                        Murais de Jacob Lawrence: Tributo à "diversidade" de Nova York.

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        Caminhando em direção ao trem da linha N, Q, R, olhando para cima, no mezanino há um mural de Jacob Lawrence que evoca a cidade de New York visto de um trem elevado, podemos ver muitos caracteres e centenas de cores!

                                                                                                                                                                                                        Caminhando em direção à shuttle... Está a cerâmica de Toby Buonaugurio

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        Mesmo se você andar correndo sem se importa com muita coisa, seus olhos vão ser surpreendidos por figuras tridimensionais brilhantes. A obra de arte, “flamboyant ceramics" de TobyBuonagurio, está inserida no nicho dos quadrados de vidro. Parece que o artista, originalmente do Bronx, projetou a obra de arte em torno do tema "vida de rua", a moda e as artes performativas. O meu favorito é a representação dos pés da mulher de estilo "burlesque", com sapatos altos e meias de cores diferentes. São35 cerâmicas e a instalação permanente é chamada de “Times Square Times: 35 Times”.

                                                                                                                                                                                                        Roy Lichtenstein e a música ao vivo

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        No final do caminho, e perto do Shuttle que liga Times Square a Grand Central, está exposta uma das obras de arte "underground" mais importantes de Nova York. Eu ainda não acreditar que cheguei a passar centenas de vezes por esta estação da Times Square, e não reparei nessa obra de arte de Roy Lichtenstein, artista 100% dedicado a New York. O Times Square Mural (2002) ocupa um mezanino todo. À direita podemos ver um homem encapuzado, uma homenagem à famosa história em quadrinhos de Buck Rogers, à direita um vagão em estilo futurista, e no centro um grande número 42 (com asas!): A parada da Times Square!

                                                                                                                                                                                                        Logo abaixo do mural de Roy Lichtenstein existe um espaço utilizado para os músicos, com bandas que variam a cada dia ou semana. E nesse dia ocorreu uma grande coincidência, estava fotografando para este artigo, quando ouvi: Maria! Era o Bryan, um amigo, e grande baixista. Ele estava lá com sua banda e me pediu para lhe fotografar. “Guys, YOU ARE SO ROCK’N’ROLL!”.O cantor melembrouMike Jagger do Rolling Stone, com seu jeito carismático. Excelente música ao vivo, e livre para se expressar como quiser! Tudo sob uma das maiores obras "underground" do metro de New York City!

                                                                                                                                                                                                         

                                                                                                                                                                                                        Obrigado Bryan, obrigado Nova York!